Descobrindo Berchtesgaden: Jennerbahn e Königssee

Em setembro de 2014 (não se preocupe, pesquisei tudo novamente e atualizei esse post para 2019), quando o  verão europeu já se despedia, saímos de Salzburg, na Áustria rumo à Berchtesgaden, na Alemanha. Era a quinta parte de um roteiro de viagem de 21 dias pela Europa. Apenas 35 quilômetros separam as duas cidades, e levamos cerca de 40 minutos de carro para chegar ao estacionamento do Monte Jenner (Jennerbahn), nosso primeiro destino. 

Vista do teleférico na subida para o Monter Jenner

A primeira vez que ouvi falar sobre Berchtesgaden foi em um programa de TV que mostrava o  “Ninho da Águia” – construído por  Adolf Hitler em uma das suas regiões preferidas da Alemanha e  frequentada por ele até o final Segunda Guerra Mundial (veja a história nesse post da Deutches Welle) .  Depois de um tempo, ouvi falar novamente sobre o lugar quando soube que uma famosa obra do pintor alemão, Caspar David Friedrich – Wanderer above the Sea Fog, – havia sido inspirada nas paisagens desse local (ela está exposta no Kunsthalle Hamburg, na cidade de Hamburgo, Alemanha).Com algumas referências na cabeça, foi fácil me encantar pela cidade e depois de pesquisar um pouco mais sobre ela o desejo de conhecê-la só aumentou. 

Imagem retirado do site do museu hamburger-kunsthalle  (https://www.hamburger-kunsthalle.de/en/nineteenth-century) (Caspar David Friederich – Wanderer über dem Nebelmeer, um 1817)

Sempre que monto um roteiro (e, claro, quando é possível), gosto de mesclar cidades maiores com lugarejos escondidos, visitas à museus com atividades que permitem contato com a natureza, e por aí vai… A Alemanha é um país cheio de possibilidades e muito bem estruturado para receber  viajantes que gostam de atividades variadas.  

É tudo muito bem preservado e a infraestrutura do país é excelente. O transporte público é de muita qualidade,  as estradas dispensam comentários (não há pedágio para veículos leves no país) e até os banheiros públicos merecem um destaque positivo: são limpos e bem equipados.  Nas cinco vezes em que estive no país, foram raríssimos os casos de banheiros sujos, muito embora, na maioria deles, seja necessário o pagamento de uma taxa de utilização. Além disso, há muitos centros de informação turística e há placas de sinalização por todos os lados.

Berchtesgaden

Era um lindo dia de domingo e durante o trajeto, ainda na estrada, encontramos muita gente caminhando em direção às muitas trilhas da região: famílias com crianças pequenas, aventureiros e casais idosos. Todos com tênis apropriados, mochilas, bastões de caminhada e chapéus. Esse desejo de contato com a natureza, que para muitos povos europeus se transformou em hábito, chamou  a minha atenção em alguns países que visitei, especialmente a Inglaterra, a Alemanha e a Áustria.

Nas rodovias secundárias, nas pequenas estradinhas e nas trilhas é muito comum encontrar pessoas realizando suas caminhadas (a imagem acima mostra algumas trilhas bem demarcadas), sobretudo no verão, onde o clima mais quente convida para uma atividade ao ar livre. A infraestrutura também ajuda muito: há pontos de parada com bancos, mesas para piquenique e banheiros.

Informações para montar o seu roteiro

O Jennerbahn é uma das atrações do Parque Nacional de Berchstesgaden, que ocupa uma grande região do Estado da Bavária. Ele foi criado em 1978 e ocupa uma área de 213,64 km². As cidades de Ramsau bei Berchtesgaden  e Schönau am Königssee.

A primeira coisa que você precisa saber é que este passeio pede um dia de sol. Com um tempo nublado também é possível realizá-lo,  mas acredito que as vistas que temos dos lugares mais altos, podem ficar prejudicadas . Todavia, se estiver chovendo, acho melhor você deixá-lo para outro dia.  Mas, turista é turista, não é mesmo?  As vezes uma boa capa de chuva, calçados impermeáveis e uma dose extra de motivação resolvem o problema.

Como nós passamos apenas um dia no local, conseguimos incluir  no  roteiro o  Jennerbahn (com uma caminha rápida até o topo) e o Königssee. Tentamos visitar o Eagle’s Nest (Ninho da Águia), mas quando chegamos já estava fechando… então, ficamos só na vontade.  Caso você também opte por um bate-volta  a partir de Salzburg, saiba que é possível visitar,os três lugares no mesmo dia (é importante salientar que estávamos de carro e que saímos de Salzburg bem cedinho). No entanto, cometemos um erro na administração do tempo, que acabou por prejudicar o nosso roteiro. Por isso, fique bem atento aos horários de abertura e fechamento das atrações, informe-se sobre duração de cada passeio e, principalmente, conte com algum imprevisto. O que derrubou o nosso planejamento foi a fila que se formou para pegar o barco de regresso no lago Königssee, simplesmente não contávamos com isso. A espera de uma hora, somada ao tempo do passeio (cerca de 40 minutos) fez com que a ida ao Ninho da Águia tivesse que ser adiada para uma próxima. 

Nas alturas

Acho que já contei aqui no blog sobre as minha adoração por lugares altos. É praticamente impossível planejar uma viagem que não tenha na programação à subida ao campanário de uma Igreja, uma caminhada até o topo de uma montanha, a visita a um mirante ou a uma dessas modernas torres de observação, que fazem parte dos programas turísticos nas grandes cidades do mundo.  A visita ao Jennerbahn entrou no roteiro depois de lermos alguns blogs e ficamos encantos com as imagens do lugar e com a possibilidade de visitá-lo fazendo um bate-volta desde Salzburg.

Algumas dicas

Nas nossas pesquisas pré viagem descobrimos  duas coisas importantes:

  1. O estacionamento do local onde fica o teleférico que te leva ao monte Jenner só aceita moedas e é bem difícil trocar dinheiro na base do monte, embora existam alguns pontos comerciais. Houve uma grande reforma no local em 2018, mas não consegui descobrir as formas de cobrança do estacionamento, portanto, esteja preparado!
  2. É possível (e mais econômico) adquirir um ticket combinado para o teleférico que leva até o Monte Jenner e para o passeio de barco no lago königsee, que fica bem pertinho, no entanto, ele só está disponível entre de maio à outubro.
De Salzburg a Berchtesgaden

Caso você esteja vindo de Salzburg, chegar até o local é bastante tranquilo. Como falei no iníco do post, levamos cerca de 40 minutos para percorrer os 35km que separam as duas cidades.  A estrada é boa, muito bem sinalizada e a paisagem é linda.  Um pouquinho antes da chegada você verá várias bandeiras (da Alemanha e das regiões da Bavária)  dando às boas vindas aos visitantes. Um pouco antes da entrada do estacionamento você verá um restaurante do McDonald’s e um posto de gasolina.  

Chegando ao estacionamento é só encontrar os terminais de auto atendimento, colocar as moedas e deixar o papelzinho visível no painel do carro. Olhando a direita,  você logo verá a estação de partida do teleférico.  Caso esteja com fome, há alguns locais para um lanche rápido.

Cable car Jennerbahn
Estação de partida do teleférico do Jennerbahn. Imagem retirada do site https://www.berchtesgaden.de
Base da montanha, onde ficam o estacionamento e a estação de partida do teleférico.

A Fabi do blog/instagram  Loucos por Viagem já fez esse roteiro, partindo de Salzburg, de carro, de ônibus e também ensina como fazê-lo de trem.  Vale a pena dar uma olhada nas dica dela. 

Subindo…

Conforme comentei acima, em 2018, houve uma reforma em todo o sistema do teleférico. A estação de onde partem as gôndolas é novinha e as pequenas cabines, nas quais cabiam apenas duas pessoas,  foram substituídas por gôndolas mais modernas, com capacidade para até 6 pessoas. Todo esse investimento fez com que o valor do  ticket subisse bastante e, atualmente, de acordo com o site oficial, adultos pagam 27,50 euros para subir os 4 estágios (vale-montanha-vale). 

Ao chegar na última parada do teleférico você verá um restaurante e uma trilha que leva ao cume da montanha, que pode ser acessado depois de um caminhada  de cerca de 10 minutos (embora seja uma subida, é de fácil acesso e não exige preparo físico). No local, há vários mirantes que nos propiciam vistas espetaculares como essas…

Se você estiver com fome, sugiro uma parada no restaurante para um café acompanhado de um doce típico. Eu e meu marido optamos  por fazer a trilha primeiro, admirar a vista e depois sentar na varanda para descansar um pouquinho e tomar uma weissbier – especialidade local –  a 1800 metros de altura antes de seguir viagem (lembrando que a lei seca alemã permite concentração abaixo de 0,5 g/L no sangue e 0,25 mg/L no bafômetro, ou seja, dá pra dividir uma cerveja!)

Vista da Varanda do restaurante de onde se pode ver a pequena trilha que leva ao cume do monte Jenner
Passeio pelo Lago Königssee

Após pegar o teleférico para  voltar à base ( no verão e primavera também é possível descer através das trilhas) pode-se  ir caminhando até o local de onde partem os barcos para passeio  pelo lago Königssee. Ele também  está localizado no vilarejo de Schönau e  levamos cerca de 3 minutinhos de carro.  O valor do ticket para o passeio de ida e volta até a ilha de São Bartolomeu, nossa opção de parada,  é de 15,50 euros e você pode consultar os horários e obter maiores informações aqui.

É importante ressaltar que há o barco faz três paradas. A primeira em Kessel, a segunda na Ilha de São Bartolomeu e a terceira em Salet, onde você poderá conhecer outro famoso lago alemão: o Oversee. Na hora da compra você escolhe o lugar onde deseja parar.  O passeio de ida e volta a Salet custa 19 euros.  Como ainda a visita ao ninho da águia estava no nosso roteiro, optamos pela parada intermediária

Paradas do passeio no Lago Konigssee: Kessel, São Bartolomeu e Salet

No local de saída dos barcos há restaurantes, banheiros, barraquinhas de comida (sorvete, cachorro quente, bebidas, etc.) e algumas lojinhas. Dependendo da época do ano a frequência dos barcos é de 15 em 15 minutos ou de 30 em 30 minutos.  Compramos nosso ticket na hora e ficamos caminhando por ali, esperando o horário de partida do barco. Descobrimos que no inverno esse lugar é super frequentado pelos amantes dos esportes praticados na neve e no gelo. Tem até uma pista onde podem ser praticados bobsleigh, luge e skeleton. 

Complexo de lazer de onde saem os barcos para os passeios no Lago Königsee: restaurantes, barraquinhas e lojinhas.
Ao fundo a pista para prática de esportes de inverno

A água cristalina, o verde das montanhas, os fiordes, o silêncio, a organização do local, a preservação e a preocupação com o meio ambiente (os barcos que fazem a travessia são elétricos há mais de 100 anos!)  fazem dessa visita algo inesquecível.  O percurso é tranquilo, as paisagens são muito bonitas e há até uma surpresinha feita pelo barqueiro no meio do caminho. 

Após, aproximadamente, 40 minutos chega-se à  Ilha de São Bartolomeu. Ela é pequena e linda. Tem uma única construção da qual faz parte uma capela dedicada ao Santo e um Biergarten com algumas opções de comida e bebida. Você pode ficar o tempo que quiser por lá… colocar os pés na água, caminhar às margens do lago, tomar uma cerveja, comer uma salsicha,  um peixe assado na brasa ou um sanduíche de schnitzel e desfrutar das belas paisagens.  Quando cansar, é só esperar o próximo barco.

Biergarten na Ilha de São Bartolomeu

Atenção com o retorno…

Erramos na programação da volta! Para retornar, a fila é por ordem de chegada. Quando os barcos enchem, eles partem. Como havia muita gente na nossa frente, levamos mais de uma hora aguardando e tivemos que deixar nosso plano de visitar o  Ninho da Águia para uma próxima.  Mas, são coisas que fazem parte dos roteiros de viagem e, muitas vezes, sair do que estava programado nos permite conhecer outros lugares que não estavam planejados ou descansar um pouquinho mais para o próximo dia! Foi o que fizemos. Voltamos a Salzburg um pouco mais cedo, jantamos e nos preparamos para o dia seguinte para o qual planejamos uma ida a encantadora cidade de Hallstat, na Áustria. 

Há muito mais para ver e fazer na região

Nas minhas pesquisas para escrever esse post, descobri um site que dá dicas de turismo em toda a região. As informações estão disponíveis em inglês e alemão e vale muito a pena dar pelo menos uma olhadinha antes de montar o seu roteiro.  Você pode acessá-lo aqui.

 Há uma brochura disponível para download que  sugere atividades não apenas em Berchtesgaden, mas inclui também outras cidades da Bavária e até alguns passeios para cinéfilos em Salzburg (lugares onde foram filmados a Noviça Rebelde e algumas cenas dos filmes  Sissi). Através do site e da brochura você poderá montar um roteiro de acordo com seus interesses.

O que eu não fiz, mas gostaria de ter feito…

Eu gostei tanto dessa região que quero programar uma nova visita. Inspirada naquele pessoal com seus sticks e nas lindas paisagens, fiquei com muita vontade de programar uma nova parada em Berchtesgaden que contemple pequenos vilarejos, trilhas pelas montanhas e aquela  visita ao  Ninho da Águia que ficou para depois….  No site da Deutsch Welle encontrei  uma sugestão de roteiro de três dias que pareceu muito interessante.

O que outros blogueiros disseram…

Antes de escrever uma postagem, sempre pesquiso o que outros colegas viajantes escreveram sobre o assunto. Acho os blogs uma fonte fantástica de aprendizado,  pois além de conhecer um outro ponto de vista, acabo descobrindo coisas que poderia ter feito e não fiz (e aí aumenta a lista de desejos para uma próxima visita). Deixo aqui uma listinha com os endereços dos blogs que acessei (e gostei) e que dão dicas valiosas sobre Berchstesgaden e região.

Loucos por viagem

https://www.loucosporviagem.com/destinos-internacionais/konigssee-lago-berchtesgaden/

Meus destinos Imperdíveis

http://meusdestinosimperdiveis.com.br/lago-konigssee-alemanha/

Para saber mais…

https://www.dw.com/pt-br/parque-nacional-berchtesgaden-inspira-esportistas-e-artistas/a-2196513

https://www.dw.com/pt-br/dicas-de-turismo-em-berchtesgaden/a-43644750

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *