Lisboa: Como preparei meu roteiro

Quando comecei minha pesquisa para montar um roteiro em Lisboa utilizei as ideias registradas em blogs de viagens, no tripadivsor e no googlemaps. Também usufruí de uma das gentilezas da Amazon, que nos deixa dar uma espiadinha em alguns guias de viagem (e outros livros) antes de tomarmos a decisão de comprá-los. Dei uma bela olhada no guia da Lonely Planet, que ajudou a ter uma primeira noção dos principais pontos turísticos de Lisboa e arredores.

Guia AmazonAlém disso,  fiz uma espécie de curadoria dos blogs que achei mais interessantes e adequados ao meu perfil de viagem. Alguns portugueses, outros nacionais. Eles são tantos e tão bons que dá vontade de ler tudo. Dentre os portugueses utilizei informações preciosíssimas dos Blogs  Glauco Damas Lisboa Cool. Também encontrei indicações em um blog muito divertido, de um casal português, que dentre outros assuntos, dá dicas de viagens e restaurantes chamado Casal Mistério. 

Castelo de São Jorge visto desde o Elevador de Santa Justa 

Sempre que possível, leio blogs “nativos” escritos por pessoas que vivem ou já viveram no local para onde viajarei e, dentre esses, não há nenhum outro blog sobre Portugal, especialmente Lisboa e arredores, que me cative tanto quanto o Cultuga, escrito pelo casal Priscila e Rafael. Também gosto de ler sobre experiências de brasileiros nos países visitados. Para essa viagem, utilizei a “Bíblia” Viaje na Viagem, o blog de um conterrâneo, cheio de experiências no currículo, chamado Meus Roteiros de Viagem e o Matraqueando  que é sempre uma ótima opção.

Torre com o famoso Galo Português na Ajuda

A medida que as leituras avançavam, várias janelas iam se abrindo na tela do computador.  O tripadivsor é sempre utilizado como uma espécie de consultor – para confirmar (ou não) as minhas “primeiras” impressões dos lugares indicados nos blogs e o googlemaps para conhecer as distâncias e traçar roteiros (a pé e de transporte público).  Por falar em transporte, fiquei muito bem impressionada com as minhas experiências de deslocamento em Lisboa, principalmente no que diz respeito ao transporte público que oferece um grande número de modais, tais como: ônibus (chamados de autocarros), trens (chamados de comboios), metros, bondes, elevadores  e o transporte marítimo, feito pela empresa Transtejo.  Utilizei todos eles, exceto o fluvial, que assim como a volta no famoso bonde, ficará para uma próxima… que pra mim já é imperativo… terá que acontecer.

Na página do Meus Roteiros de Viagem há um post super completo sobre as opções de  transporte em Lisboa .

Campo das Cebolas

Apesar de ter lido muitas coisas sobre Lisboa antes de viajar, minha principal dificuldade era, primeiramente, me “localizar”, para depois organizar um roteiro que otimizasse minha passagem pela cidade. Confesso que ficava perdida no meio de tantas informações e ia anotando os lugares que pareciam interessantes: Bairro Alto, Mosteiro dos Jerônimos, Palácio Nacional da Ajuda, Miradouro Santa Luzia, etc.  Mas, como algumas distâncias pareciam ser grandes (como Belém e Parque das Nações) e o limite entre alguns bairros parecia não existir (Chiado, Alfama, Cidade Alta, Baixa),  ficou difícil montar um roteiro. Depois de muita pesquisa, saí do Brasil com um roteiro geral, pouco detalhado, que se resumia ao que segue:

  • Belém (Torre de Belém, Mosteiro dos Jerônimos, Museu Nacional dos Coches, Padrão dos Descobrimentos, Pasteis de Belém e Museu de Marinha)
  • Chiado + Alfama (Castelo de São Jorge, Catedral da Sé, Miradouro da Graça) + Bairro Alto (Convento do Carmo, Mercado da Ribeira e Miradouro São Pedro de Alcântara)
  • Parque das Nações (Oceanário, Gare do Oriente, Teleférico e Shopping Vasco da Gama)
  • Baixa ( Praça do Comércio, Elevador de Santa Justa, Parque Eduardo VII, Estação do Rossio e Rua Augusta)
  • Arredores de Lisboa – Cascais
  • Arredores de Lisboa – Sintra

Ao chegar à cidade, vi o quanto tinham sido importantes as leituras e pesquisas pré-viagem, no entanto, meu  roteiro foi bastante modificado. No início da postagem Lisboa, dia 1.  eu conto como e porque.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *